REUNI na Ufes

“Olê, olê, olê, olá / esse Reuni não vai passar / ocupo reitoria para não privatizar”

reitoria reitoria

Ontem (25/10/07), em Vitória, no campus de Goiabeira da Ufes, às 14:30 estava marcado a reunião do Conselho Universitário da Ufes. Em pauta, não constava a apresentação e a votação do projeto REUNI. Porém, o DCE não deu credibilidade para a pauta (por conhecer a administração da reitoria) e convocou um ato para tentar barrar a possível votação no Conselho Universitário (CUn). Este ato foi marcado para ter início às 10h, com concentração em frente à reitoria. Ao chegarmos lá, encontramos o prédio de portas fechadas, com uma tropa de vigilantes federais constituindo uma barreira humana. Isso tudo para impedir a nossa entrada no prédio da reitoria (espaço público). Os seguranças, primeiramente, não apontavam motivos para o impedimento, apenas diziam que nós não poderíamos entrar, que eram ordens superiores. Após algum tempo, quando tentamos novamente o enfrentamento, alguns deles disseram que a barragem era para defender o patrimônimo público, alegando que nós o depredaríamos se entrássemos. Sem contar que as portas só estavam fechadas para os alunos que faziam parte do movimento/ato, as outras pessoas (funcionários do prédio ou não, contando que não apresentassem ameaça à reunião do conselho) podiam entrar e utilizar o prédio público normalmente. Com isso, o movimento decidiu, em plenária na hora do almoço, que formaria uma barreira humana para não deixar ninguém mais entrar. Além disso, também foi decidido fazer um tapete de ovos para dificultar ainda mais o acesso ao prédio. Conseguiu-se barrar muitas entradas, porém também houve enfrentamento com muitas pessoas que reivindicavam a entrada no prédio. Mesmo assim, a barreira continuava irredutível em frente à reitoria. Além da porta central, havia duas entradas por trás do prédio. Também nelas foram feitas barreiras humanas. Inclusive, em uma dessas portas, houve agressão a um estudante por parte de um funcionário da reitoria. Às 14:30 começou a reunião e os representantes discentes que lá estavam comunicaram ao resto do movimento que havia quorum para iniciar o conselho. Primeiramente, o movimento começou a pensar em uma estratégia de ataque. Quando os alunos que estavam lá dentro avisaram que o projeto do REUNI entrou em pauta emergencial e já estava sendo apresentado para iniciar a votação, os estudantes entraram em enfrentamento com os vigilantes, forçando a entrada no prédio. Conseguiu-se entrar no prédio e ocupar a sala do CUn.

Continuar lendo

Anúncios

REUNI: EXPANSÃO OU ESCOLÃO?

Por Marcelo Badaró Mattos (*)
Nos próximos dias, os Conselhos Superiores das 52 Universidades Federais estarão votando a “adesão” das Instituições ao Programa de Reestruturação das Instituições Federais de Ensino Superior, programa criado pelo governo federal, através de decreto presidencial.

Não é simples avaliar o que está em jogo. De um lado, uma proposta de mudança radical dos cursos superiores nas Federais é definida por decreto, sem qualquer debate prévio com a comunidade universitária ou a sociedade.
De outro, uma simulação de debate democrático nas universidades, com a idéia de que a “adesão” ao programa é voluntária. Por que simulação? Porque a chave da proposta é uma chantagem: o governo oferece recursos adicionais para as instituições aderentes, em troca do cumprimento de determinadas “metas”, numa reedição da velha fórmula do contrato de gestão, lançado por Bresser Pereira quando ministro do primeiro mandato de Fernando Henrique. A Autonomia Universitária, princípio garantido pela Constituição de 1988, perdeu-se no caminho.

As metas são o primeiro sinal do que se esconde por trás da proposta, mas é preciso saber compreendê-las. Entre elas, as principais são: dobrar as matrículas nos cursos de graduação; elevar a taxa de conclusão para 90% e estabelecer uma relação professor-aluno de 1:18, tudo em cinco anos. A princípio, tudo de bom. Quem pode ser contra expandir as vagas e diminuir a evasão. A verdade, porém, é que tais indicadores são absurdos. Uma taxa de conclusão de 90% não existe sequer nos países de desenvolvimento industrial avançado (a média da OCDE é de 70%). Já a relação professor aluno de 1:18 (a média atual é de cerca de 1:14,5), considerando-se a existência de professores em atividades administrativas e de disciplinas práticas com limitações técnicas que exigem número reduzido de alunos (pensemos numa turma de prática de neurocirurgia, por exemplo, e avaliemos se ela pode ter mais de três alunos), significa na prática que as turmas da maioria dos cursos, especialmente as dos primeiros períodos, terão média superior a 70 estudantes, e não há sequer salas de aula suficientemente grandes para isso. Como o Decreto supõe que as Universidades possam chegar a cumprir tais metas?

Continuar lendo